Primeiro casamento de cegos com audiodescrição

Primeiro casamento traduzido do Brasil

Apesar de muito nova no Brasil, a audiodescrição é um recurso de acessibilidade essencial para dar ‘visão’ à quem não enxerga.
Imagine poder só ouvir um filme. Assim como outras formas de entretenimento, vide programas de televisão, espetáculos de dança e peças de teatro, o cinema é construído para quem vê. O silêncio entre as personagens, a transição de uma cena à outra e até a trilha sonora subindo gradativamente para criar tensão não funcionam sem estarem associados à imagem. Essa barreira manteve – e ainda mantém – muitos deficientes visuais longe de produtos culturais. A audiodescrição, técnica que faz a ‘tradução’ de todas as informações que compreendemos visualmente, tem transformado isso e promovido a inclusão dessas e outras pessoas que precisam de mais do que a imagem para entender e experimentar o mundo.
O professor William Cesar Rodrigues, de 47 anos, e a pedagoga Adriana Barsotti, de 42, foram o primeiro casal de cegos a ter um casamento descrito ao vivo no país. Até então casamentos aconteciam, mas os detalhes do vestido, decoração e até as lágrimas ficavam por conta da imaginação de cada um. O contato prévio com a audiodescrição foi o que inspirou Adriana a inovar levando a técnica também para eventos sociais.
“Foi um dos melhores momentos da minha vida”, diz sem pestanejar. “As coisas na minha vida não são fáceis de se conseguir, então quando realizo um sonho como esse é a coisa mais magnífica. O casamento ficou perfeito e não tem uma pessoa que não diga que não foi o casamento mais lindo que já viram”, comenta.
Lívia Motta, audiodescritora, descreveu a igreja, as roupas, a reação dos noivos e de seus parentes. O trabalho deu uma outra dimensão do que acontecia aos convidados também deficientes visuais e aos próprios noivos que tiveram uma percepção mais completa do que acontecia.
No final do ano passado a audiodescritora tinha compromisso marcado com o casal mais uma vez. Dessa vez para descrever o nascimento do primeiro filho deles. Diante da atitude de Adriana, provavelmente não será a última vez. “Para pessoas com deficiência tudo é mais difícil. Nossa sociedade não é inclusiva. Sou pedagoga e trabalho em uma ONG que ajuda crianças com deficiência visual. Para eu chegar a me formar não foi fácil. Eu tive que correr atrás de tudo e até hoje é assim”, afirma.
Fonte: uai

About the author: admin

Leave a Reply

Your email address will not be published.